Temporada reprodutiva, micro-habitat e turno de vocalização de anfíbios anuros em lagoa de Floresta Atlântica, no sudeste do Brasil

Lucas Rodriguez Forti

Resumo


Comunidades de anuros tropicais são muito diversas, assim como os modos reprodutivos das espécies que as compõem. A atividade reprodutiva das espécies de anuros ocorre mais intensamente nos períodos quentes e úmidos do ano. Este estudo teve como objetivo estudar a composição específica, a temporada de atividade, a distribuição espacial e o turno de vocalização dos anfíbios anuros de uma lagoa permanente em uma área de Floresta Atlântica no Estado de São Paulo. Observações naturalísticas noturnas foram feitas ao longo de 18 meses. Eventualmente, visitas foram feitas também durante o dia, para averiguar a presença de alguma espécie em atividade diurna e para procurar desovas de anuros nas imediações da lagoa. Em 44 noites de coleta de dados foram registradas 20 espécies de anuros, distribuídas em cinco famílias, Bufonidae, Cycloramphidae, Hylidae, Leiuperidae e Leptodactylidae. As espécies mais comuns na lagoa foram Dendropsophus minutus, Hypsiboas bischoffi, Phyllomedusa distincta, H. faber e D. elegans as quais apareceram em mais de 30 noites de observação. As espécies mais raras foram Bokermannohyla sp., Leptodactylus fuscus e Proceratophrys boiei, registradas uma única vez. A reprodução da maior parte das espécies ocorreu entre os meses de outubro e fevereiro, havendo correlação positiva significativa entre número de espécies presentes na lagoa e o olume de precipitação mensal. Tal padrão é comumente registrado em zonas tropicais sazonais. Hypsiboas faber ocupou o maior número de micro-hábitats para vocalização e esteve em sobreposição com várias outras espécies. A comunidade foi caracterizada principalmente pela alta sobreposição espacial de espécies, as quais mantiveram atividade de vocalização na lagoa predominantemente durante a noite.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.