“Por que o SBT é tão brega?”: afeto e sentimento na interação da emissora com a audiência

Rafael Barbosa Fialho Martins

Resumo


O presente artigo discute a proposta de interação do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) com a audiência, marcada pela proximidade. A partir da análise de vinhetas institucionais da emissora, percebe-se o investimento em uma estética pautada por aspectos como excesso e sentimentalismo que, alinhados às matrizes do brega e do kitsch, contribuem para promover o engajamento fortemente afetivo e sentimental que o canal conquistou ao longo de sua trajetória. Metodologicamente, a apreciação das peças autopromocionais é feita com base no estilo televisivo. Em termos estilísticos, a “amizade” pretendida pela emissora traduz-se na opção por uma linguagem gráfica de cores fortes e quentes, e trilha sonora focada em afetos e sentimentos combinada à atuação efusiva e acolhedora do elenco. Assim, tais escolhas dotam o SBT de expressiva humanização, aproximação e diferenciação da proposta de interação que o canal oferece ao telespectador no âmbito do mercado de televisão no Brasil. 


Palavras-chave


SBT; televisão; vinhetas; estilo televisivo

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Federal de Juiz de Fora

Programa de Pós-graduação em Comunicação
Lumina - Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora

E-mail: revista.lumina@ufjf.edu.br

Classificação Qualis-CAPES : B1

ISSN 1516-0785 | e-ISSN 1981-4070

Diretórios e Indexadores:

Siga a Lumina