Concepções e práticas pedagógicas dos docentes para o cuidado clínico de enfermagem

Janieiry Lima de Araujo, Jamille Forte Viana, Lucilane Maria Sales da Silva, Maria do Socorro de Araujo Dias, Raimundo Augusto Martins Torres

Resumo


Pesquisa exploratória e qualitativa cujo objetivo foi analisar as concepções e práticas pedagógicas na formação de enfermagem para efetivação do cuidado clínico. Participaram da pesquisa 30 docentes-enfermeiros de duas Universidades públicas e uma privada de Fortaleza/CE. A coleta de dados ocorreu mediante entrevista semiestruturada. Após a análise de conteúdo, três categorias emergiram: (A) Formação e Trajetória profissional; expressa as motivações dos enfermeiros para atuarem na docência, para os entrevistados o ato de ensinar surge durante sua trajetória profissional como evento natural e pessoal; (B) Concepções sobre Cuidado, Clínica e Enfermagem, revela como os docentes definem o cuidado clínico de enfermagem, este visto como ato de solidariedade fundamentado em conhecimentos científicos e práticos da enfermagem e de outras ciências. O cuidado deve ser pautado na integralidade com vistas a efetivação da clínica ampliada e (C) Concepções Pedagógicas para o Ensino do Cuidado Clínico em Enfermagem, expõe o pensar e o fazer da enfermagem ao atuar na formação de enfermeiros, nessa categoria os entrevistados colocam que apesar do forte apego ao uso da pedagogia tradicional, no cotidiano da sala de aula é perceptível mudanças metodológicas na prática docente que buscam construir uma enfermagem crítica e reflexiva. Assim, para criar uma enfermagem dinâmica e inovadora é necessário que a prática docente supere desafios inerentes ao ensino do cuidado clínico de enfermagem de modo a ressignificar as concepções e práticas pedagógicas que orientam a formação, a construção da ciência e a qualificação para a docência na área. 


Palavras-chave


Prática do docente de enfermagem. Ensino. Cuidados de enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELLO, I. M.; BUENO, B. O. Programas especiales de formación superior de profesores en Brasil: la universitarización del magisterio en cuestión. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 20, n. 6, p. 1-22, fev. 2012.

CAMPOS, G. W. S.; AMARAL, M. P. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teóricos operacionais para a reforma do hospital. Ciência Saúde Coletiva, v. 12, n. 4, p. 849-859, ago. 2007.

CECCIM, R. B.; MERHY, E. E. Um agir micropolítico e pedagógico intenso: a humanização entre laços e perspectivas. Interface (Botucatu), v. 13, Supl. 1, p. 531-542, 2009.

CHAVES, S. E.; CECCIM, R. B. Avaliação externa no ensino superior na área da saúde: inquietações e a dimensão das margens. Interface (Botucatu), v. 19, n. 55, p. 1233-1242, dez. 2015.

CRUZ, R. A. O. et al. Reflexões à luz da teoria da complexidade e a formação do enfermeiro. Revista Brasileira Enfermagem. v. 70, n. 1, p. 236-239, fev. 2017.

FREITAS, D. A. et al. Saberes docentes sobre processo ensino-aprendizagem e sua importância para a formação profissional em saúde. Interface (Botucatu), v. 20, n. 57, p. 437-448, jun. 2016.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 34. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011b.

GADOTTI M. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

GUSMÃO, R. C.; CECCIM, R. B.; DRACHLER, M. L. Tematizar o impacto na educação pelo trabalho em saúde: abrir gavetas, enunciar perguntas, escrever. Interface (Botucatu), v. 19, supl. 1, p. 695-707. 2015.

SOUZA, C. J.; VALENTE, G. S. C. Formação pedagógica do enfermeiro docente baseada em competências: exigência ou necessidade? European Journal of Education Studies, v. 3, n. 3, p. 242-251, fev. 2017.

RODRIGUES, M. T. P.; MENDES SOBRINHO, J. A C. Enfermeiro professor: um diálogo com a formação pedagógica. Revista Brasileira Enfermagem, v. 60, n. 4, p. 456-459, jul./ago. 2007.

SANTOS, E. C. G dos S et al. Por uma epistemologia de enfermagem: versões e interpretações para cuidado em saúde. Revista Saúde e Desenvolvimento. v. 11, n. 6, p. 1-8, jan./mar. 2017.

SILVA, M. J.; SOUSA, E. M.; FREITAS, C. L. Formação em enfermagem: interface entre as diretrizes curriculares e os conteúdos de atenção básica Revista Brasileira Enfermagem, v. 64, n. 2, p. 315-321, abr. 2011.

SILVEIRA, L. C. et al. Clinical care in nursing: development of a concept in the perspective of professional practice reconstruction. Escola Anna Nery. v. 17, n. 3, p. 548-554, ago. 2013.

TEIXEIRA, E. Em tempos de novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para o curso de graduação em Enfermagem. Revista Enfermagem UFSM. v. 7, n. 2, p. 3-4, abr./jun. 2017.

WALDOW, V. R. Momento de cuidar: momento de reflexão na ação. Revista Brasileira Enfermagem, v. 62, n. 1, p. 140-145, fev. 2009.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

HU Rev., Juiz de Fora, MG, Brasil. e-ISSN: 1982-8047 / p-ISSN: 0103-3123 

 

INDEXADORES:

     

 

   

 

  

 

 

  

 

 

 

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia